Veja todas as fotos da Casa da Praia clicando nas imagens

♥ ALOHA PARA TODOS ♥!!!!
Aloha significa muito mais do que "alô" e "adeus" ou "amor", significa compartilhar (alo) com alegria (oha) da energia da vida (ha) no presente (alo)”.

Destaque - Imóveis de altíssimo padrão à Venda no Condomínio Costa Verde Tabatinga

sábado, 24 de julho de 2010

Melhore sua visão - Coma peixe ! Casa da Praia - Locação de Temporada/Vendas de imóveis no Condomínio Costa Verde Tabatinga - Litoral Norte SP.

Imagem science dailly


Um novo estudo mostra que adultos mais velhos que consomem peixes gordurosos pelo menos uma vez por semana podem ter menos riscos de perda grave de visão devido à degeneração macular relacionada à idade.
As descobertas, relatadas na revista especializada Ophtalmology, não provam que o consumo de peixe elimina o risco de desenvolvimento de estágios avançados da doença. Entretanto, elas aumentam as evidências de estudos anteriores, que mostraram que o índice de degeneração macular é mais baixo dentre pessoas que consomem peixes.
Atum e salmão: consumo ajuda a reduzir risco de doença ocular degenerativa
O estudo também sustenta a teoria de que os ácidos graxos ômega-3 – muito encontrados em peixes gordurosos como salmão, cavala e atum – podem afetar o desenvolvimento ou a progressão do problema.
A degeneração macular é causada por um crescimento de vasos sanguíneos anômalos sob a retina ou pela degeneração de células sensíveis à luz presentes na retina – ambos podem causar uma grave debilitação da visão. A doença é a principal causa da cegueira em idosos. Não existe cura para a degeneração macular. Alguns tratamentos, porém, podem prevenir ou retardar uma perda grave de visão.
Um estudo clínico conduzido pelo governo dos Estados Unidos descobriu que uma mistura de antioxidantes – vitaminas C e E, betacaroteno e zinco – em alta dosagem pode desacelerar a progressão da doença ainda em estágios intermediários. Atualmente o composto é comumente prescrito pelos médicos.
Ainda não está claro, porém, como o peixe ou os suplementos de ômega-3 podem barrar a progressão da degeneração macular. Entretanto, uma pesquisa adicional ao estudo americano está examinando se o óleo de peixe e os antioxidantes luteína e zeaxantina adicionados ao regime de suplementos original pode ou não trazer benefícios adicionais.
Para o estudo atual, a pesquisadora Bonnielin K. Swenor, juntamente com alguns colegas da Universidade Johns Hopkins, de Baltimore, analisou dados de 2.520 adultos entre 65 e os 84 anos de idade submetidos a exames oftalmológicos e a questionários detalhados sobre alimentação.
Os testes revelaram que 15% dos participantes se encontravam em estado inicial ou intermediário de degeneração macular, enquanto apenas 3% estavam em estágio avançado da doença.
No total, a equipe de Swenor descobriu não haver uma relação clara entre o consumo de peixe relatado pelos participantes e o risco de DMRI. Entretanto, foi encontrada uma relação entre o alto consumo de peixes ricos em Omega-3 e uma menor probabilidade da doença em estágio avançado.
Os participantes do estudo que ingeriram uma ou mais porções de tais peixes por semana mostraram uma probabilidade 60% inferior de apresentar o problema em estágio avançado.
Fatores como sexo, raça e tabagismo – relacionados ao risco de degeneração macular relacionada à idade – também foram considerados no estudo. Aparentemente, as mulheres correm mais riscos de desenvolver a doença, assim como pessoas de raça branca e fumantes. As descobertas ainda não comprovam que os peixes ricos em ômega-3 oferecem o benefício.
“Enquanto os estudos atuais indicam que uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3 pode reduzir os risco de DMRI tardia em alguns pacientes, ainda são necessárias novas pesquisas”, Swenor disse à Reuters Health através de email.
A pesquisadora apontou que o estudo analisou participantes durante um determinado período, em vez de analisá-los ao longo do tempo para constatar se pessoas que disseram comer peixe estavam menos propensas a desenvolver a doença. Por isso não é claro se os hábitos alimentares relatados pelos participantes precederam ou não o desenvolvimento da doença ocular. Os participantes do estudo tiveram de se lembrar e relatar com precisão seus padrões alimentares típicos, o que pode causar erros.
Por enquanto, a pesquisadora sugere que os portadores da doença discutam suas opções alimentares com seu oftalmologista. Em geral, porém, o consumo regular de peixe é considerado uma atitude saudável.
A Associação Americana de Saúde, por exemplo, recomenda que todo adulto coma peixe, de preferência os mais gordurosos, pelo menos duas vezes por semana por causa de seus benefícios potenciais para a saúde do coração.
* Por Amy Norton,via IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário